Historia

                             

                             

                             

                             

O lugar que conhecemos hoje como Albufeira, não é apenas a capital do turismo em Portugal, é também um local carregado de história com indícios de presença humana que remontam já ao período neolítico e à idade do bronze.

O contacto com os Fenícios, os Gregos e os Cartaginenses, ensinaram aos habitantes o alfabeto, a utilização da moeda e a conservação dos alimentos através do sal. Ocupada numa primeira fase pela civilização Romana, o seu nome inicial era Baltum. Este povo introduziu o conceito de organização administrativa e desenvolveu uma intensa atividade agrícola, mineira e comercial. Construiu ainda aquedutos, estradas e pontes, dos quais ainda existem alguns vestígios.

As trocas comerciais marítimas com o norte de áfrica levaram a uma ocupação gradual dos povos Mouros em toda a região. O nome de Albufeira provém do árabe Al-Buhera, que significa " pequeno lago/lagoa" , nome que poderá estar ligado ao facto da existência de uma fortificação no alto do rochedo que dominava a lagoa existente na parte baixa da vila. Foram ainda os árabes que desenvolveram notavelmente a agricultura, verificando-se a introdução de novas culturas, instrumentos e técnicas, tais como charruas, noras para elevação de águas e utilizaram, pela primeira vez o adubo.

Foi a partir do final do séc. XII que se iniciou a conquista cristã da região. Após décadas de conflitos e um cerco final apertado, a tomada da vila aos mouros deu-se definitivamente em 1249 com os Cavaleiros da Ordem de Santiago no reinado de D. Afonso III, e doada à Ordem Militar de Aviz, tornando-a assim parte do reino de Portugal e dos Algarves. A 20 de Agosto de 1504 (data em que se comemora o feriado municipal) D. Manuel I concedeu o Foral à Vila de Albufeira, sendo regida pelas leis do resto do país. Albufeira foi das cidades a sul mais fustigada pelas catástrofes naturais. O terramoto de 1755 foi, no entanto, a catástrofe que mais estragos causou culminando com o maremoto que levou o mar a invadir a vila, destruindo quase todos os edifícios e deixando apenas umas poucas edificações intactas. A reconstrução foi lenta e foram necessárias décadas até Albufeira começar a recuperar de tamanha tragédia. A exportação de peixe e frutos secos foram os principais meios de lucro da região. A partir da década de 60, já no séc. XX, o turismo começou a florescer e deu novo fôlego à economia local. Com o seu crescimento tornou-se cidade em 1986.

Monumentos

                                          

Igreja Matriz

A Igreja Matriz, situada na baixa de Albufeira, na Rua da Igreja Nova, foi construida nos finais do século XVIII, em 1782, 27 anos depois do terramoto de 1755, que abalou a antiga mesquita de origem àrabe. A igreja pertence ao estilo Neoclássico, tem uma única nave e possui 4 capelas laterais, a capela baptismal, o coro, dois púlpitos, duas salas laterais e a torre do sino, que foi construida em 1869. No altar-mor é de destacar o eximio trabalho do pintor albufeirense, Samora Barros, que serve de pano de fundo à imagem da Nossa Senhora da Conceição, santa protetora de Albufeira. No topo do arco da porta principal é visivel a cruz de Aviz, que representa a ordem religiosa e militar a que Albufeira pertenceu antigamente.

                                          

Igreja de São Sebastião

Construida no inicio do século XVIII, com traços arquitetónicos de raiz popular é de se destacar os seus 2 grandiosos portais,a sua bela cúpula, o lateral decorado por cantarias do estilo Manuelino e o principal, talhado em estilo barroco. No interior da igreja é possivel visualizar 6 imagens de anjos feitos em madeira, uma imagem em pedra, uma única nave, onde se encontra um retábulo de madeira da segunda metade do século XVIII.

                                          

Igreja Sant'Ana

Construida no século XVIII, situada no Largo Jacinto D' Ayet é facilmente reconhecivel devido às suas formas arquitetónicas de inspiração popular.Possui uma cúpula envolvida com pináculos e a encimar a fachada com elementos de expressão barroca. No seu interior é possivel observar uma imagem de Cristo Crucificado em madeira e um retábulo da Nossa Senhora da Dores.Atualmente esta capela é utilizada como uma capela funerária.

                                          

Torre do Relógio

Localizada na Rua Bernardino Sousa e integrada na antiga cadeia comarca, a Torre do Relógio é uma antiga torre muçulmana e é considerada um dos ex-libris da cidade.No cimo da torre, é possivel obter-se uma das melhores vistas sobre Albufeira e de noite, a torre ilumina o centro da cidade, sendo bastante apreciada tanto como os cidadãos locais, como os turistas.

                                          

São Vicente de Albufeira

No Largo Jacinto D'Ayet, encontra-se uma estátua do Frei de Santo António ou São Vicente de Albufeira.Nasceu em Albufeira, nos finais do século XVI, era distinguido pela sua inteligência, acabando por prosseguindo os seus estudo na capital.Após o falecimento dos seus pais, São Vicente parte para o México, para ingressar numa vida religiosa, juntando-se à ordem de São Agostinho. Uns anos mais tarde viajou até ao Japão para espalhar a fé cristã, acabou preso e torturado durante 2 anos e por ser condenado à morte numa fogueira, por não ter renunciado aos seus ideais de fé.A 3 de Setembro de 1632 acabou por ser executado, tendo falecido com cerca de 42 anos de idade..

                                          

Capela da Misericórdia

A Capela da Misericórdia, ganhando este nome após a sua restauração em 1499, encontra-se na Rua Henrique Calado.Foi uma antiga mesquita àrabe, utilizada mais tarde como capela dos Alcides do Castelo e foi em parte danificada pelo terramoto de 1755, tendo sido recuperada alguns anos depois. Até os dias de hoje ainda é possivel verificar a conservação do seu portal gótico, o arco triunfal e o abside. No seu interior existe um retábulo de talha, representativo da imagem do Senhor Morto, da Nossa Senhora da Visitação e a sepultura do antigo Alcide do castelo, Rui Dias.

                                          

Edificio da Antiga Albergaria

Este edificio situado na Rua Henrique Calado, baixa de Albufeira, foi um dos escassos 27 edificios que sobreviveu ao terramoto de 1755.O Edificio da Antiga Albergaria, gerido antigamente pela Santa Casa da Misericórdia de Albufeira, acolhia e prestava auxilio a viajantes e pessoas com necessidades.

                                          

Bateria de Albufeira

A Bateria de Albufeira, construida por volta do século XVI, foi a primeira linha de defesa da praça de Albufeira. Possui uma forma semicircular e continha peças de artilharia, que eram utilizadas para a defesa da praça contra os invasores, peças estas que hoje podem ser encontradas no Museu Municipal de Albufeira.

                                          

Túnel de Albufeira

Idealizado no início do século XX, por Samora Barros, este túnel oferece acesso direto ao centro da cidade e à Praia do Peneco. Por se encontrar em decadência, o túnel necessitou de ser remodelado e a empresa Sotecnisol Engenharia, acabou por reparar e melhorar algumas das funcionalidades do túnel, tais como uma fileira de pedra basáltica ao nível do pavimento para prevenir a entrada de águas entre o pavimento e os hasteais do túnel.

                                          

Arco da Travessa da Igreja Velha

Com traços da arquitetura àrabe, como no arco, no chão de rego e as bilhas, o arco revela a existência de uma antiga mesquita àrabe nesta rua, , mas que acabou destruida durante o terramoto de 1755.

Gastronomia

                             

                             

                             

                             

A gastronomia albufeirense, baseada numa dieta mediterrânica, tem as suas raizes em tempos e costumes antigos. Muitos dos alimentos devido ao extenso mar na costa de Albufeira são provenientes do mar, o que faz com que muitos dos pratos sejam com peixe, como por exemplo o linguado grelhado ou a cataplana de peixe, que são pratos bastante apelativos e apreciados tanto como por moradores locais como por turistas. Para além de pratos de peixe, os muluscos também têm um lugar na culinária albufeirense, sendo alguns destes servidos principalmente como entradas. Alguns dos melhores exemplos são os choquinhos com tinta, prato servido com a tinta dos chocos, regado em azeite, com alho e coentros e as lulas grelhadas acompanhadas com batatas cozidas e legumes, arroz de polvo, realçando assim os sabores do mediterrâneo. Pratos de marisco, são dos pratos mais procurados e pedidos nos restaurentes de Albufeira, principalmente na Baixa e Marina, existindo uma variadissima escolha, como arroz de marisco, ameijoas à bulhão pato, conquilas, cataplana de marisco, camarão grelhado e frito, sapateira, ostras, mexilhão, entre muitos outros. Existem algumas casas de marisco e de peixe fresco em Albufeira, mas o estabelecimento mais famoso e recomendado neste tipo de pratos é o restaurante "A Ruina", situado na baixa da cidade, facilmente distinguido em relação aos restantes, devido à sua construção em pedra e à sua localização num ponto alto, em cima da Praia dos Pescadores, com uma excelente vista sobre o mar. Para além dos alimentos recolhidos do mar, um dos pratos típicamente algarvio mais confecionado pelas pessoas do campo, são as ervilhas à algarvia, que são feitas com pedaços de toucinho,chouriço e ovos escalfaods, oferecendo assim um delicioso sabor a este prato de origens antigas, mas também bastante apreciado pelas novas gerações e pelos turistas que visitam a nossa região Frango à Guia, receita originalmente criada na freguesia da Guia está também ligada à gastronomia de Albufeira e têm um grande exito, tanto a nivel nacional como a nivel internacional. Embora aparenta ser somente frango grelhado, os frangos da guia são frangos pequenos com cerca de 600 gramas, temperados com um molho especial que contém sal, piri-piri, óleo, alho e acompanhado com batatas fritas. São muitas as casas a confecionar este prato em Albufeira, principalmente na freguesia da Guia, cada uma com o seu toque especial e sem dúvida um prato a provar. Para sobremesas, alguns dos doces distintos da região são a torta de laranja, os queijinhos de figo e um doce feito unicamente em Albufeira, os farrobitos, que nasceu de um desafio lançado pela Câmara Municipal de Albufeira à população com produtos encontrados na terra, como a laranja, o mel, a alfarroba e a amêndoa, cortando alguns ingredientes clássicos com que se confecionam os bolos como o açucar e a manteiga, tornando esta iguaria um doce mais saudável.

Praias

                             

                             

                             

                             

Um dos principais motivos por Albufeira ser um destino com tanta procura, quer a nível nacional, quer a nível internacional, deve-se ao seu excelente clima e às suas imensas praias, ao longo de 30km na zona costeira, sendo um dos conselhos de Portugal onde existem um abundante número de praias com bandeira azul, que compravam a qualidade, segurança e limpeza das mesmas. A areia dourada e a água clara são características de todas as 25 praias desta cidade Algarvia, sendo que este Património Natural tem sido preservado e defendido de forma a poder ser equilibrado, para continuar a manter o estatuto e nível de melhores praias do mundo. Algumas das praias mais procuradas para repouso e deslumbre visual por parte dos seus visitantes são a Praia dos Pescadores, Praia do Peneco, Praia dos Salgados e Praia de Santa Eulália, cada uma com as suas características únicas, tanto pelas suas rochas históricas, pelas árvores que complementam a praia para um visão paradisíaca, como pelo seu extenso areal, que serve tanto para práticas de lazer, práticas desportivas ou passeios à beira mar. Este tipo de práticas e liberdade faz com que as praias de Albufeira todos os anos recebam muita visitas e estejam na grande maioria do seu tempo lotadas, sendo que na época balnear que começa em Maio e termina em Outubro, se note este elevadíssimo número de pessoas a frequentar as praias, apesar de estas continuarem a ser visitadas todo Albufeira possuindo estes locais maravilhosos que tanto fascinam e atraem turistas, acompanhados pela simpatia e humildade dos seus cidadãos, tornam esta cidade uma referência para destino de férias para os amantes de paisagens paradisíacas, que assim pretendem passar umas férias de sonho e ao mesmo tempo fortalecer a economia local, para que a cidade possa retribuir todos os anos com a sua beleza e a estar no topo da lista de melhor destino de férias a nível internacional. As praias de Albufeira e do Algarve em geral, tem características muito próprias, como já referido que acabam por ser uma referencia promocional dentro em fora de Portugal, contribuindo fortemente para o desenvolvimento da economia local, basta referir que durante os meses de Verão Albufeira aumenta cerca de dez vezes a população da cidade, ou seja, em Agosto, a cidade de Albufeira costuma acolher cerca de quatrocentas mil turistas, a melhor promoção que Albufeira pode fazer para atrair visitantes/turistas, reside fundamentalmente pela beleza das suas lindas praias de areia fina, muito difícil de encontrar comparação com outras, nomeadamente as do nosso Pais vizinho, a Espanha. Por também fazer parte da paisagem paradisíaca das praias de Albufeira, há que mencionar as falésias existentes que contribuem para uma sintonia paisagística que é muito bonito comtemplar, factor também que ajuda a distinguir e premiar as praias de Albufeira ao lado de muitas outras também famosas em todo Mundo.

Noites

                             
                             
                             
                             

Sempre com muita animação, em particular na época de Verão, as noite em Albufeira são sempre bastante animadas, com um vasto número de cafés, restaurantes, bares e discotecas para todos os gostos, com muita música ao longo de toda a noite e com um ambiente caloroso e agradável para pessoas de todas as idades e estilos. Na baixa de Albufeira, pode deliciar-se junto à praia, nas variadíssimas casas de restauração com gastronomia de primeira qualidade com a sua família ou numa saída a dois, num ambiente bastante descontraído e alguns espaços com um ambiente mais intimista ou simplesmente pode aproveitar os bares junto ao mar para conviver com os seus amigos e refrescar-se enquanto desfruta as suas férias. No centro da baixa de Albufeira, se procura um ambiente mais animado, irreverente, para dançar e de emoções fortes, tem à sua disposição inúmeros bares com músicas para todos os gostos, desde música pop a música rock, sempre acompanhados pela simpatia, dedicação e arte de bem servir característicos da cidade de Albufeira. Na rua da Oura, semelhante ao ambiente vivido no centro da baixa de Albufeira, embora com uma agitação maior, pode desfrutar das suas férias com um ambiente bastante electrizante e caloroso enquanto se diverte nos inúmeros bares e discotecas que esta famosa rua de Albufeira, conhecida pelo seu ambiente nocturno tem para lhe oferecer, com música e boa disposição durante toda a noite. Com um vasto leque de locais nocturnos e um ambiente inconfundível, característico de Albufeira, tem tudo o que você precisa para desfrutar de umas férias de sonho na sua estadia e levar boas recordações para casa, com vontade de querer repetir numa próxima oportunidade, as suas férias de sonho e viver as emoções e alegrias que tornam a cidade de Albufeira, um dos principais destinos de férias em todo o mundo.

entrevistas

                             

Filipe Mendes

T.A- Que zona desempenha no zoomarine e há quantos anos quantos o faz? F.M- No Zoomarine eu trabalho directamente com os visitantes, normalmente nos estádios onde são realizadas as apresentações e desempenho também funções de sonoplastia (tudo o que está ligado com o som), há cerca de 7 anos. T.A- Quais os turistas que mais visitam o zoomarine?

F.M- Em regra geral, no Zoomarine temos visitantes, que na sua maioria falam Inglês, mas não são necessariamente de Inglaterra, como Irladenses, Holandeses, Alemães, Indianos, da Europa do leste. Temos também em determinadas alturas do ano visitantes de outros paizes como Espanhois, Franceses e Portugueses claro, ao longo de todo o ano.

T.A- Qual a area do zoomarine mais atrativa aos visitantes? F.M- Normalmente as apresentações, nomeadamente a de Golfinhos em seguida da apresentação de Focas e Leões Marinhos são as áreas de maior interesse, embora também haja um grande interesse na atrações, especialmente as que têm água, principalmente pelos visitantes mais novos.

T.A- Como descreve a recepçao do zoomarine aos seus visitantes? F.M- Nós no Zoomarine orgulhamo-nos de recebermos os visitantes sempre de forma simpática, com um sorriso na cara, com educação, com a postura o mais correcta possivel, dispostos a ajudá-los a usufruir o melhor possivel na nossa companhia. Não fazemos distinção, um visitante é sempre um visitante, independentemente da sua nacionalidade ou de quaisquer limitações físicas/psicológicas que possam existir.

T.A- Como pensa que as pessoas saem do zoomarine? tem conhecimento de pessoas que repitam a visita?

F.M- A maioria das pessoas sai do Zoomarine muito feliz e emocionado, muitos deles até voltam várias vezes. Ainda por cima nós no Zoomarine temos o "bilhete de segundo dia" que permite a entrada dos visitantes num dos seguintes 10 dias pelo preço de 8€ por pessoa.

T.A- O que acha do atual turismo em albufeira?

Albufeira é um dos principais destinos turisticos do Algarve e até considerada por muitos como a capital do turismo Algarvia. Para além da grande variedade e qualidade das nossas praias no concelho de Albufeira, também a noite é muito conhecida, é um óptimo local para quem quer sair da rotina e passar um bom bocado. Existem bares com a música mais actual, outros com música ao vivo e até alguns deles são temáticos. Temos também ao longo da noite, alguns artistas de rua, outros através da ajuda da Camara Municipal, com o intuito de nos animar. Não podemos esquecer a grande história que a cidade tem, e para quem procura um turismo mais relaxante e contacto com a Natureza, Albufeira também o tem para oferecer, por exemplo com o Castelo de Paderne e todos os percursos pedestres que o rodeiam. T.A- O que pensa que poderia ser melhorado no turismo em albufeira?

F.M- O turismo de Albufeira deveria funcionar durante mais meses, mas para isso também teria de estar preparado para situações adversas como a chuva. Poderia também haver mais aposta a nivel cultural, como ao longo do ano mais concertos variados, noites de cinema no auditorio ou ar livre se o tempo o permitisse, mais peças de teatro, ou até mesmo actividades relacionadas com a Natureza e o bem estar.

Diferentes tipos de workshops, apoiados pela Camara Municipal e mais eventos para dar a conhecer as nossas associações locais e artesanato e não deixar de lado a nossa bela história e tradições.

                             

João Dias

T.A- Que zona desempenha no Hotel Alisios e há quantos anos o faz?

J.D- Exerço a função de recepcionista há cerca de 25 anos.

T.A- Sendo um dos responsáveis pela recepção dos clientes ao hotel, como descreve o atendimento ao cliente?

J.D- A recepção é na prática a primeira impressão que o cliente tem do Hotel e como tal, a forma como é atendido desde a sua chegada até ao final da sua estadia é determinante para a sua satisfação.

No Hotel o atendimento ao cliente é feito com a máxima cordialidade, eficácia e simpatia, tentando ir sempre de encontro aos requisitos do cliente e potencializando as vendas dos serviços do Hotel.

T.A- Quais os clientes que na sua maioria costuma passar férias no Alísios? Maioritariamente de nacionalidade alemã seguindo-se os britânicos e portugueses.

J.D- Quais os locais que os clientes do hotel procuram com maior frequência visitar em Albufeira?

O tipo de cliente que nos visita não é do tipo que fica satisfeito apenas com uma piscina e um bar onde passa o dia a "hidratar-se"; Ou seja, não procuram apenas ficar por Albufeira. Tentam aproveitar ao máximo as suas férias para visitar e conhecer o máximo possível da região. Em Albufeira procuram essencialmente os diversos locais do centro antigo de Albufeira e praias.

T.A- O que pensa do atual turismo em Albufeira?

J.D- A nível do Hotel onde trabalho, considero que a larga maioria dos clientes foge um pouco à regra e procura algo mais do que aquilo que Albufeira oferece, ou seja bares, animação noturna e preços baixos derivado à vasta e variada oferta de alojamento.

Os nossos clientes escolhem Albufeira derivado à sua localização central na região do Algarve.

Escolhem esta unidade hoteleira em virtude da excelente localização, pois estamos praticamente sobre a praia, numa zona relativamente tranquila, a uma curta caminhada de cerca de 10 minutos do centro antigo de Albufeira e a cerca de 15 minutos da zona da Oura, logo oferecemos praia, tranquilidade durante o dia como durante a noite e animação para quem quiser se deslocar a um dos centros noturnos de Albufeira.

T.A- O que pensa que poderia ser melhorado no turismo em Albufeira? J.D- A sazonalidade acima de tudo, não só em Albufeira como em toda a região com uma promoção mais eficaz a nível interno e externo da região, focalizada nos pontos fortes da região durante a época baixa, mais diversificação da oferta turística tendo em conta certos nichos de mercados em vez da permanente focalização nos segmentos de turismo de praia no verão, e turismo de Golfe no Inverno, este só beneficiando algumas unidades hoteleiras da região. Uma das razões que o turismo de Golfe é tão popular no Algarve durante o inverno é em grande parte devido às excelentes condições climatéricas que existem na região para a prática de atividades desportivas no exterior, logo acho que existem aqui imensas possibilidades para captar outros segmentos de mercado, principalmente todos aqueles que tenha a ver com atividades ao ar livre.

O turismo sénior, um segmento que existia no Algarve durante o inverno nos primeiros anos em que trabalhei como rececionista, acabou no momento em que após a introdução do Euro, o custo de vida começou a subir vertiginosamente, fazendo com que o algarve deixasse de ter interesse como destino de férias para a maioria dos reformados, isto apesar da oferta hoteleira ser enorme e com preços às vezes inacreditáveis que, aliados ao reduzido número de rotas aéreas que se mantêm durante a época baixa, pouco servem para vender os alojamentos.

Voltando ainda à promoção da região não se compreende por que é que durante o mês de Agosto existem festas de tudo e mais alguma coisa particamente todos os dias, algumas a competir com outras para atrair o maior número possível de visitantes enquanto nos restantes meses do ano não se passa praticamente nada.

                             

José Carlos Leandro

T.A- Como empresário, como vê o atual turismo em albufeira?

J.C.L- Como empresário Hoteleiro, vejo o turismo de Albufeira da seguinte forma:

Se relacionarmos as taxas de ocupação com os anos transactos, constatamos que as mesmas tem vindo a subir em percentagens que não eram habituais no Algarve e particularmente em Albufeira, o que só por si deveria ser visto como factor muito positivo, pois é isso que qualquer hoteleiro deseja que aconteça na sua unidade, ver aumentada a ocupação da sua unidade, mas….

- Se compararmos a subida das taxas de ocupação, com as receitas geradas, facilmente concluímos que não existe essa proporcionalidade, o que significa desde logo, que a referida subida de ocupação deve-se muito á redução dos preços praticados e sendo assim, não podemos ficar totalmente satisfeitos, pois nós empresários não pagamos aos nossos colaboradores ou fornecedores com taxas de ocupação, pagamos sim com as receitas e as mais valias geradas….e esta redução de preços leva necessariamente a uma redução do consumo por cada turista que nos visita… é por isso que começa ser muito comum ouvirmos, especialmente por parte dos comerciantes em geral que “há muita gente na cidade mas as compras ficam aquém do expectável… e por isso o Turismo deve ser entendido no seu todo como desenvolvimento da economia local.

T.A- Com que nacionalidades na maioria, trabalha no seu hotel?

J.C.L-Percentualmente o meu hotel tem os seguintes segmentos de mercados: 80% são cidadãos oriundos da Alemanha, 10% do Reino Unido, 5% de Portugal e 5% de várias nacionalidades.

T.A- Como descreve a recepção do seu hotel aos seus clientes? J.C.L- Os clientes que chegam ao balcão da recepção do meu Hotel, são todos cumprimentados pelos recepcionistas com um aperto de mão acompanhado de um sorriso e com informações gerais sobre as facilidades que o Hotel oferece durante a estadia , formulando os votos de excelente estadia.

T.A- Como costuma ser o feedback do seus clientes no final das suas férias?

Costuma ter clientes que o visitam todos os anos?

J.C.L-Como somos uma empresa certificada, temos obrigatoriamente de monitorizar o grau de satisfação dos nossos clientes e é com muita satisfação que em 2014, obtivemos uma percentagem de satisfação de 92.76% , estando de acordo com a nossa politica, que é proporcionar ao nosso cliente a satisfação dos chamados" repetentes" foi de 14,9% durante todo o ano de 2014 e a tendência é para continuar a aumentar a referida percentagem.

T.A- Tem conhecimento dos locais que os seus clientes frequentam nas suas visitas em albufeira?

J.C.L-Os nossos clientes tem por hábito visitar o Algarve em geral e alguns também se deslocam a Lisboa e a Fátima. Dos que visitam o Algarve, procuram visitar locais que estão já pré programados pelos Operadores Turisticos que promovem excursões, nomeadamente a Sagres, Lagos, Monchique, Silves, Alte, Loulé., Tavira. Localmente gostam de frequentar Bares, Restaurantes, lojas de artesanato , garrafeiras e ainda existem outros clientes que gostam de praticar Golf e fa "bird watch" etc. Na chamada época alta a esmagadora maioria dos nossos clientes, prefere passar o seu tempo na praia, motivo principal que escolhem passar as férias em Albufeira.

T.A- O que pensa que poderia ser melhorado no turismo em albufeira? J.C.L- Principalmente a diminuição da sazoanalidade. Teria muitas considerações e observações a referir sobre tão importante questão.

Aplicaçðes